Ghost Interview

Para menores de 18 anos

Published

on

Empreendedorismo mirim não quer dizer empreendedorismo iniciante. Essas crianças mostram o contrário.

O Ghost Interview já contou a história de diversas pessoas, de todas as faixas etárias. Desde os jovens da Brex até a experiência do Warren Buffet. Mas, em plena Semana das Crianças , resolvemos trazer uma série especial de Ghost Interview, o Ghost Interview Kids, ou Gasparzinho 🙂 ; com crianças que começaram a empreender e inovar desde cedo. Para dar a largada, a convidada de hoje vai contar para a gente como foi dar seus primeiros passos no mundo dos produtos de beleza antes mesmo dos 10 anos de idade.

Um ponto importante antes de avançar; não queremos fazer nenhum tipo de apologia ao trabalho, mesmo que empreendedor, infantil. Tampouco estimular que pais e mães passem a olhar para seus filhos pensando que estão “atrasados” por “ainda” estarem brincando e aprendendo enquanto outras crianças já criaram seus próprios negócios. Nosso objetivo aqui, assim como qualquer outro Ghost Interview, é trazer curiosidades do mundo dos negócios com pessoas que tenham realizado feitos interessantes criando produtos, soluções e empresas no mundo digital. Também fica aqui uma provocação para nós mesmos, adultos, que por vezes vemos a inovação como algo complexo e altamente tecnológico, mas que no fim do dia pode ser, literalmente, fácil, divertido e prazeroso como uma brincadeira de criança.

Mas agora, vamos falar da Leanna Archer, que tinha apenas nove anos quando começou a usar uma receita de sua bisavó haitiana para vender produtos caseiros para os cabelos. Com 17 anos ela já era CEO de uma empresa de seis dígitos e lidava com mais de 350 pedidos online por semana, gerando mais de US$ 100 mil em receita a cada ano. Archer foi a mais jovem empreendedora a tocar o sino da abertura da NASDAQ e em 2016 chegou a acumular um patrimônio líquido de US$ 5 milhões. Em meio a toda essa trajetória, Leanna usou parte do seu dinheiro para criar uma fundação com seu nome para ajudar crianças no Haiti.

Leanna, o seu negócio começou quando você passou a dar a pomada para seus amigos e viu uma oportunidade de comercializar isso, certo? Conta pra gente como foi o seu ‘start’ empreendedor.

Minha tataravó usava uma pomada no cabelo, que ela mesma criou no Haiti. E a receita passou de geração em geração na minha família. Quando eu estava crescendo, as pessoas me perguntavam qual o produto que usava no cabelo e queriam saber ‘o segredo`. Então, eu acabei criando o produto e vendendo para eles.

(Entrevista para a CNN em 30 de maio de 2011, quando Leanna tinha 15 anos)

Quais foram os maiores desafios do começo do Leanna Inc?

Eu tinha oito anos quando iniciei o negócio, que se tornou oficial depois que convenci meus pais aos nove. Eu ouvi meus pais sempre dizendo que a única maneira de ficar rico na vida é ter seu próprio negócio”. Essas palavras de seus pais a motivaram a começar a pensar e, eventualmente, a tentar seu negócio. Meu primeiro desafio foi convencer meus pais de que era capaz de levar adiante minha ideia de abrir um negócio. Meus pais ficaram chocados, eles pensaram que era uma fase que eu acabaria superando, mas eles perceberam que eu estava falando sério quando comecei a me esforçar para conseguir a licença para começar.

Quando dei todas essas informações que encontrei sobre como conseguir a licença para começar, eles me levaram a sério e me ajudaram a obter a licença e me ajudaram a desenvolver um site. E eu sou muito grata a eles. 

Também foi um desafio fazer com que todos me levassem a sério porque sou muito jovem.

(Entrevista ao Ghana Business News publicada em 22 de janeiro de 2009, quando Leanna tinha 13 anos)

Comecei sem dinheiro. Na verdade, o que eu fiz foi pegar o que restou da mistura que a gente tinha em casa e comecei a dar para as pessoas na escola, como uma amostra grátis. Fiz isso contra a vontade dos meus pais, inclusive. As pessoas começaram a querer comprar e mandavam cheques para a nossa casa. Até então, meus pais não faziam ideia de que eu estava dando essas amostras, então foi um choque para eles receberem esses pedidos. 

Eu comecei a vender pela internet. 

(Entrevista ao Fox Business publicada em 16 de outubro de 2008, quando Leanna tinha 12 anos)

Sua família é haitiana e todos os ingredientes para os seus produtos são do Haiti. Certo? Conte-me um pouco sobre sua relação com o Haiti. 

Minha primeira viagem ao Haiti foi quando eu tinha 13 anos, em 2008. E fazer essa viagem foi um choque cultural para mim. Fiquei cara a cara com milhões de crianças nas ruas, você sabe, que não iam à escola, e praticamente apenas se defendiam. E foi difícil para mim aceitar porque a única diferença que vi entre mim e eles foi que tive a oportunidade de nascer em um ambiente diferente.

Então eu não queria ir embora sem, você sabe, ver se eu poderia fazer a diferença. E eu fiz, então comecei a minha – a Leanna Archer Education Foundation. Quer dizer, tenho 200 crianças sob minha fundação com quem trabalho diariamente, para fornecer comida, abrigo e educação para eles. 

(Entrevista à NPR publicada em 19 de junho de 2013, quando Leanna tinha 18 anos)

 Qual seria o conselho que você daria a crianças de 9, 10 anos que assim como você querem empreender desde cedo?

Aproveite os recursos que estão disponíveis para nós. Felizmente, crescemos em uma época em que a Internet tem quase tudo a oferecer. Eu não sabia nada sobre negócios; minha família não sabia nada sobre negócios. Mas vejo isso como um processo de aprendizado e continuo aprendendo à medida que empreendo.

E acima de tudo, quando você tiver uma ideia, siga-a. Siga-o até o fim, mesmo que não seja isso o que você pretende fazer. Isso pode levá-lo a outra coisa pela qual você se apaixona.

(Entrevista à NPR publicada em 19 de junho de 2013, quando Leanna tinha 18 anos)

E seu principal conselho para os pais de crianças que querem se tornar empreendedoras?

Aos pais, diria, que o mais importante é apoiar as crianças e apoiar seus sonhos, 100. Os pais deveriam falar que os sonhos são malucos, mas eles são malucos o bastante para se realizar.

(Entrevista para a CNN em 30 de maio de 2011, quando Leanna tinha 16 anos)

Tem alguma frase que você segue como o mote da sua vida?

Tudo parece ser impossível até ser feito. 

(Entrevista publicada pela BBC em 13 de fevereiro de 2014, quando Leanna tinha 19 anos)

Depois que você abriu sua empresa, qual foi a primeira coisa que pensou que valeria a pena investir? E como foi esse começo? 

Quando comecei, não era muito profissional. Como se não prestarmos muita atenção a isso porque só tínhamos um pedido por dia ou talvez um pedido a cada dois dias antes do produto ser conhecido. Mas depois de algum tempo, quando as coisas começaram a se acumular e começamos a receber muitos pedidos de uma só vez, isso começou a se tornar um negócio natural.

Quando começamos a receber pedidos de fora do nosso estado, começamos a perceber que, tudo bem, esse negócio está ficando sério.

(Entrevista ao Kids Who Inspire publicada em 5 de novembro de 2009, quando Leanna tinha 14 anos)

Sabemos que abrir um negócio é um desafio, como foi para você lidar com frustrações?

Foi muito difícil divulgar a empresa. E, ao longo do caminho, quando a empresa começou a se tornar popular, foi difícil para mim encaixar o negócio em minha programação. Esse deve ser o maior desafio que enfrento.

Bem, eu tive que sacrificar algumas coisas que não eram tão importantes, e então manter as coisas que eu estava realmente disposta a cumprir e algumas das coisas que faço em um dia. Eu toco piano. Eu vou para aulas de piano. Eu tenho aulas de instrumental. Farei coisas diferentes e também pratico muitos esportes. Então, depois de um tempo, tive que me livrar de alguns deles. Mas as coisas com as quais eu estive por muito tempo, essas foram as coisas com as quais eu permaneci. 

Depois de ir para a escola e voltar à tarde, a primeira coisa que faço é verificar quantos pedidos tenho online; e dependendo da quantidade de pedidos, isso determinaria quanto tempo eu teria para fazer meu dever de casa e fazer tarefas como levar o cachorro para passear e tudo mais. Depois do dever de casa, desço as escadas e começo a empacotar as caixas. Normalmente, durante a semana, não fazemos muitos produtos, a menos que haja uma demanda muito alta de um produto. Normalmente nós estocamos nos fins de semana. Nós embarcaremos durante a semana e no resto da tarde eu ou – – alguns dias eu tenho aulas de piano ou tenho prática de softball e o resto do dia é apenas para eu sair e relaxar com a família e talvez faça algum, não sei, videogame ou qualquer outra coisa com meus dois irmãos.

 (Entrevista ao Kids Who Inspire publicada em 5 de novembro de 2009, quando Leanna tinha 14 anos)

E mesmo tendo sucesso, qual a sua visão sobre a sua empresa?

Eu não vejo apenas como um negócio, vejo como uma experiência de aprendizado. 

(Entrevista à revista Forbes, publicada em 21 de abril de 2009, quando Leanna tinha 13 anos)

Falando em aprendizado, quais são algumas das maiores lições que você aprendeu ao passar por todo esse processo?

Uma das minhas maiores lições que aprendi é que quando você realmente quer algo, você mesmo precisa ir atrás dele. Você mal pode esperar pela oportunidade, porque isso pode levar uma eternidade para acontecer, e eu aprendi isso de muitas maneiras diferentes. Sempre quis ser entrevistada por uma revista quando comecei minha empresa, e estávamos sempre esperando que alguém aparecesse porque percebemos que tantas pessoas querem o produto que deveríamos começar a espalhar a palavra por aí. Eu só pensei um dia, talvez eu deva entrar em contato com uma revista e ver se eles querem pegá-la. Então o que fiz foi enviar uma caixa de produtos gratuitos para o editor-chefe da HypeHair Magazine, e eles acabaram fazendo minha primeira entrevista para uma revista.

(Entrevista ao Kids Who Inspire publicada em 5 de novembro de 2009, quando Leanna tinha 14 anos)

Em 2008 você estava tocando o sino da NASDAQ. Como foi esse momento para você?

Depois da NASDAQ e da abertura do sino, foi quando os clientes ficaram loucos, e foi quando tivemos que reunir a família nos fins de semana para fazer grandes quantidades de estoque de um determinado produto que é realmente popular. 

Foi emocionante porque no ano anterior eu estava na NASDAQ na mesma época e no mesmo mês, mas na época eu estava com colegas de classe que trouxe comigo para apoiar a Miss América, que na época era Lauren Nelson, ligando para a NASDAQ. Depois disso, era como se eles estivessem me dizendo: “Um dia você estará aqui tocando a campainha”, e eu pensei: “Tudo bem, talvez quando eu tiver 25 anos”. Então, o proximo passo foram eles me ligando e pedindo para eu ir e tocar a campainha, e eu fiquei animada..

(Entrevista ao Kids Who Inspire publicada em 5 de novembro de 2009, quando Leanna tinha 14 anos) 

Na sua opinião e com o que você aprendeu tendo seu próprio negócio: qual é a chave do sucesso? 

Aprendi que devo permanecer determinada e tenaz; tenho que continuar a ter uma boa estrutura e disciplina. Tenho que continuar a trabalhar duro no que faço e tenho que continuar a ouvir meus clientes. Administrar uma empresa não tem a ver com o que você gosta, mas sim com o que deixa os clientes felizes. 

(Entrevista ao Ghana Business News publicada em 22 de janeiro de 2009, quando Leanna tinha 13 anos)

Continue Reading
300x250

Posts recentes

Categorias

Trending

Copyright © 2021 Morse News