Ghost Interview

Por dentro do design do Figma

Dylan Field, o criador do Figma, fala sobre como o app revolucionou o design e a vida profissional de muitas pessoas. Leia aqui!

Published

on

O Photoshop da Adobe é há muito tempo uma referência quando pensamos em design, certo? Mas pulando 30 anos, temos outras plataformas brigando por espaço no mundo digital e buscando democratizar essa indústria para torná-la mais acessível para todas as pessoas. É aqui que chamamos o Figma, uma plataforma em nuvem que veio para facilitar e superar o conceito de design. Meio parecido com a ideia do Google docs, a ferramenta veio para permitir a idéia de multitarefas onde equipes multidisciplinares pudessem explorar o mesmo projeto em tempo real sem se preocupar em sincronizar, exportar ou instalar Programas.

A Figma que começou sua história em 2012, recentemente foi avaliada em US$ 10 bilhões e tem em sua base de clientes empresas como o Netflix, Airbnb e a Discord. Agora, pensando em quem está por trás disso tudo, chamamos um dos criadores da empresa, o Dylan Field, no Ghost Interview de hoje, para falar sobre os altos e baixos dessa (quase) década da empresa que revolucionou o design e com certeza a vida profissional de muitas pessoas.

O Figma é uma ferramenta usada por designers do mundo todo para criar a carinha de sites, páginas e aplicativos. OK, mas queremos saber com você, Dylan, a parte B dessa história: como lançaram o produto?

Tudo começou quando meu cofundador Evan me mostrou uma demonstração do WebGL que ele havia construído envolvendo uma esfera em uma piscina de água. O poder dessa nova tecnologia imediatamente nos fez pensar sobre que tipo de empresa poderíamos construir com ela.

Passamos algum tempo examinando possíveis aplicações, como fotografia digital e edição de fotos. Nosso ponto mais baixo foi quando passamos cerca de uma semana explorando a geração dos memes, que logo percebemos ser um motivo meio vergonhoso para largar a universidade.

Eventualmente, começamos a examinar o design de interface. Vimos que, embora o design seja inerentemente colaborativo, as ferramentas de design populares eram para um jogador só e offline na época. Pensamos que se pudéssemos usar o WebGL e fazer uma ferramenta de design semelhante ao Google Docs, poderíamos alcançar esse mercado onde não houve muita inovação por décadas.

(Entrevista para o site Blueprint publicada em 17 de abril de 2018)

Sabemos que no início há várias ideias de produtos e na Figma não deve ter sido diferente. Como foi que decidiram o produto que iriam trabalhar e qual foi o maior desafio nessa etapa?

Foi a decisão de focar no design de interface. Antes disso, não tínhamos realmente determinado nossa missão ou propósito. Nós apenas nos referimos ao que estávamos construindo como “um Photoshop no navegador”, o que era incrivelmente vago porque o Photoshop tem um milhão de casos de uso diferentes. Como resultado, todos na empresa tinham uma visão diferente do que estávamos tentando construir na época.

Lembro que um dia pedi a todos na empresa que sentassem e decidissem o foco do que estávamos construindo. Durante aquela reunião, houve vários recursos que decidimos não avançar, incluindo animação, design 3D, edição de fotos e pintura. Ter essa clareza como empresa era polêmico, mas como todos estavam na mesma página, fomos capazes de nos mover muito, muito mais rápido.

(Entrevista para o site Blueprint publicada em 17 de abril de 2018)

Ainda falando sobre o começo do produto, a ideia inicial que tiveram foi em 2012, mas foi apenas em 2015 que vocês, de fato, colocaram o produto para lançar. Como foi passar por isso? E, principalmente, como foi passar por isso tendo a Adobe como uma das principais concorrentes?

Bem, primeiro, falarei diretamente sobre Sketch e Adobe. Eu acho que a Adobe, historicamente, realmente tinha um produto realmente incrível no Fireworks, que foi uma aquisição que eles fizeram através da Macromedia. O Fireworks morreu bem na época em que começamos a focar totalmente no design de interface, e parte do motivo pelo qual começamos a nos concentrar no design de interface foi porque pensamos: “Uau, não sabemos porque eles fizeram isso, mas a Adobe apenas matou sua melhor chance de atacar este mercado.” Tenho certeza de que foi uma decisão muito racional tomada na Adobe, mas realmente criou uma abertura para nós e para o Sketch e eles fizeram isso como um aplicativo Mac nativo e de uma forma muito inicializada também.

O Sketch eu disse em meu argumento de venda, acho que foi como descrevi “Esta ferramenta cheia de bugs e bem independente, não estou realmente preocupado com ela.” E acho que, na época, eles não estavam tão focados na qualidade, mas sim em chegar ao mercado, chegar à frente dos clientes, garantindo que eles vendessem esse caso de usabilidade. O resultado disso foi que eles foram capazes de criar um negócio incrível, que mudou a vida de muitos designers ao se concentrar naquela ferramenta, e com isso eles foram capazes de nos superar por anos no mercado. Acho que uma reflexão é que você pode ser perfeccionista, mas o conselho típico sobre lançar mais cedo, mesmo quando você está desconfortável com o produto não é um conselho ruim. Eu definitivamente acho que se tivéssemos lançado um pouco mais cedo, teria feito uma grande diferença para nós.

A segunda reflexão é apenas que você não pode esquecer o seu core, você não pode ignorar sua comunidade, e acho que fazer isso é por sua própria conta e risco, e o caso principal é a Adobe. Também tenho muita gratidão para com a Adobe. Quero dizer, eles são o pai do segmento, eles criaram muito e acho que todo o segmento aprendeu muito com eles. No início do Figma, enquanto reexaminavamos nosso modelo vetorial, eu estava assistindo a vídeos do final dos anos 1980 onde John Warnock estava apresentando o Adobe Illustrator para tentar entender o que eles estavam procurando. A realidade é que eles criaram muitos princípios básicos e modelos que resistiram ao passar do tempo. Então eu acho que você tem que valorizar isso, especialmente quando você está enfrentando um “campeão”.

(Entrevista ao podcast Founders Field Guide publicada em 31 de dezembro de 2020)

“Eu definitivamente acho que se tivéssemos lançado um pouco mais cedo, teria feito uma grande diferença para nós.”

Sobre os primeiros anos, vocês lançaram em 2015, como falamos lá em cima, e passaram a oferecer o plano pago em 2017. Isso atrapalhou em algum ponto vocês com o andamento da empresa?

Uma das partes mais difíceis da nossa jornada foi começar a gerar uma receita. Mas, em outro ponto, o fato de o produto ser de graça por tantos anos nos ajudou a ganhar os primeiros clientes.

Assim que o “boca a boca” começou a se espalhar e a gente percebeu que isso era bem eficiente, foi quando nós percebemos o crescimento super rápido.

(Entrevista à Business Insider publicada em 1 de outubro de 2020)

E quando foi que você chegou naquele momento de pensar: “caramba, isso está dando certo?”

Tem sido muito interessante ver em diferentes empresas como as pessoas estão usando nosso produto. Quer dizer, acho que ficamos muito chocados no início, alguns anos atrás, quando empresas como a Uber, por exemplo, começaram a transferir sua empresa inteira para a Figma. Isso foi algo que realmente começou a me chocar. Eles agora estão fazendo mais de 90% de seu trabalho de design de produto na Figma, se não for 100%.

Muito disso foi fortalecido, também, por seu sistema de design. Square é outra empresa que migrou para o Figma, assim como seus 100 designers trabalhando em mais de 25 produtos para em um período muito curto de tempo. Eles agora têm 60 sistemas de design exclusivos feitos em IOS, Android e web, todos no Figma. Acho que também fico animado quando as pessoas fazem essa migração e não apenas essas grandes empresas de tecnologia, mas também alguns dos casos de uso individuais menores. Adoro ouvir sobre quando as pessoas podem pagar por trabalhos autônomos e pagar suas contas médicas porque têm acesso ao Figma; mesmo que sejam designers mais jovens ou iniciantes.

Eu gostei de ouvir casos de uso que são atípicos e não necessariamente de design de interface. Alguns amigos me contaram como fizeram sua árvore genealógica em Figma. Uma vez, fui ao escritório de um de nossos primeiros clientes e a secretária do CEO, que é uma mulher maravilhosa, veio até mim e me mostrou como havia construído todo o mapa de assentos usando Figma e me disse como era tão útil. Esses são os casos típicos para os quais estamos projetando, mas é muito empolgante para mim sempre que vejo as pessoas usando o Figma como uma ferramenta geral para comunicação visual também.

(Entrevista ao podcast Overtime, publicada em 2 de julho de 2019)

Existe uma questão que é: o design não é mais um assunto apenas para experts, todos vão precisar pensar nesse aspecto no seu produto hoje em dia, não é?

Sim. Criar algo não é o bastante hoje em dia. Nós temos que nos certificar que o design deste produto é incrível. O mundo está se digitalizando cada vez mais agora. Enquanto a gente estiver passando por essa transformação, as empresas vão perceber que, para ganhar, precisarão ter as melhores práticas de design para seus produtos.

(Entrevista à Business Insider em 1 de outubro de 2020)

“O mundo está se digitalizando cada vez mais agora. As empresas vão perceber que, para ganhar, precisarão ter as melhores práticas de design para seus produtos”

Vamos pegar um pouco você nesse tema, porque ele é muito importante para a gente também: a democratização do design por meio de uma plataforma digital. Quais as mudanças que você tem visto na maneira que as pessoas veem e usam o design em seus produtos?

Acho que a maioria das pessoas pensa em design como a arte de tornar as coisas bonitas ou arte de fazer com que tudo pareça legal no final do processo. E é assim que tem sido historicamente, mas o que temos visto é que o design se tornou cada vez mais crítico para a forma como as pessoas criam software. Na verdade, isso evoluiu bastante desde o início do Figma. Então, em 2012, quando começamos o Figma, olhamos os dados e agora é incrível, a diferença de quantos designers existem no mundo. Por exemplo, a IBM em 2012 tinha 72 engenheiros para cada designer na organização, e essa é uma proporção muito louca. Em 2017, analisamos os dados novamente, eles eram de oito para um em toda a organização e de três para um no mobile. Acho que, além disso, estamos realmente vendo aquele designer para cada seis engenheiros, ou para cada oito engenheiros, em algum lugar nessa faixa, essa é a proporção alvo para muitas empresas agora.

Eu penso em design como: você está definindo como o software funciona, você está basicamente tentando criar uma linguagem visual que as pessoas possam usar para resolver um problema. No software, isso significa que tenho algo que quero que você seja capaz de fazer com o que estou criando. Estou tentando criar as melhores metáforas visuais para você se agarrar e usar isso que eu criei. E isso não para necessariamente com a criação de um ativo visual ou artefato. Na verdade, design é pensar em todo o processo de desenvolvimento de software, de ponta a ponta, tudo, desde como fazer para conseguir conceituar o início do processo e descobrir as coisas certas para trabalhar, até “esse aplicativo vai ter desempenho suficiente?”

Acho que o que vimos na última década, à medida que a nuvem se tornou tão popular, à medida que as ferramentas de desenvolvedor ficaram cada vez melhores, é que não é mais suficiente construir algo. Tem que ser incrivelmente bem desenhado. As expectativas do consumidor aumentaram muito devido, eu acho, aos grandes aplicativos. Acho que o que estamos vendo é que as empresas que não investem em design, perdem. É muito contagiante, e mercados onde eles começam a ter um concorrente focado em design e tentando fazer o design o melhor para seus usuários, essas empresas acabam vencendo. É por isso que estamos vendo um aumento tão grande no design, e também o aumento de pessoas que não são designers que querem se envolver no processo de design ou se tornar designers.

Uma das coisas em que estivemos muito focados com o Figma, que é parte do motivo pelo qual estamos no navegador, é que não apenas ajuda nas colaborações das pessoas em todo o processo de design – marketing, engenharia, gerenciamento de produtos, executivos e vendas podem se envolver com o design – mas também faz com que as pessoas possam acessar o design pela primeira vez, porque, em nossa opinião, design é uma habilidade que mais pessoas deveriam ter acesso e poder participar. Vejo as ferramentas de design indo na mesma direção que a palavra processador foi. Houve uma época em que o processador de texto não seria usado a menos que fosse por um escritor profissional. Então, com o tempo, muito rapidamente, isso mudou. Dito isso, não é porque você tem acesso a um processador de texto, você é um escritor especialista. Existem pessoas que se especializam em escrita, e eu vejo o mesmo acontecendo com as ferramentas de design. Vai se tornar uma competência central que todos devem comunicar visualmente, mas, ao mesmo tempo, haverá pessoas que se especializam e são especialistas.

(Entrevista ao podcast Founders Field Guide publicada em 31 de dezembro de 2020)

Como a computação em nuvem mudou o fluxo de trabalho dos designers e até que ponto o processo está indo no caminho da democratização?

De monitoramento de condicionamento físico a serviços bancários, vimos todos os outros softwares se moverem verticalmente para a nuvem, mas os designers ainda estão presos às ferramentas offline de um jogador. Quando desejam compartilhar arquivos, os designers precisam exportar PNGs obsoletos, fazer upload de modelos para o Dropbox e rezar para que ninguém abra um arquivo no qual estão trabalhando. Além disso, ferramentas de design populares como Sketch só funcionam no Mac, o que exclui grandes grupos de designers que usam outras plataformas (especialmente internacionalmente).

Na Figma, estamos usando avanços recentes em WebGL para criar uma ferramenta de design baseada em nuvem de alto desempenho. Ao migrar para a nuvem, capacitamos os designers a se comunicar e colaborar de forma mais eficaz. Como estamos no navegador, não é necessário instalar e você pode usar o Figma em qualquer sistema operacional. (Sim, até mesmo Linux!)

Ser nativo do navegador também significa que os arquivos de design podem ser compartilhados com um link e, como o Google Docs, várias pessoas podem trabalhar em um arquivo ao mesmo tempo. Não estamos tentando forçar ninguém a colaborar – muitos designers gostam de trabalhar sozinhos antes de mostrar os designs. Mas com ativos baseados em nuvem, eles podem gastar muito menos tempo gerenciando arquivos e muito mais tempo se concentrando no trabalho que importa.

(Entrevista para o blog da AWS publicada em 1 de fevereiro de 2018)

“A IBM em 2012 tinha 72 engenheiros para cada designer na organização, e essa é uma proporção muito louca. Em 2017, analisamos os dados novamente, eles eram de oito para um em toda a organização e de três para um no mobile”

Para fechar, na última semana escrevemos um artigo sobre o desafio da digitalização de PMEs, e o impacto disso nas empresas, nos profissionais e na economia. Criamos até o #DigitalizaAí como forma de ajudar a facilitar e acelerar a digitalização dos negócios. Qual sua visão sobre isso?

Em primeiro lugar, o que as pessoas não reconhecem tanto quanto deveriam é o quanto toda a economia mundial está se tornando digital neste momento. Acho que foi há cerca de uma década, ou quase uma década, que Marc Andreessen escreveu seu famoso post “Software Is Eating The World”. Acho que a história menos noticiada no Vale do Silício, ou potencialmente em qualquer imprensa de negócios, é o quanto isso é verdade hoje e como é ainda mais exponencialmente verdadeiro do que era em 2011 ou quando ele escreveu aquele post.

À medida que toda a economia mundial se torna mais digital, acho que é muito importante ter mais capacidade para as pessoas entrarem nisso porque, do contrário, estaríamos apenas aumentando a desigualdade e fazendo com que as pessoas não tivessem acesso a essa grande oportunidade. Acho que as pessoas ao redor do mundo estão vendo isso e estão realmente ansiosas para entrar em design, programação ou qualquer maneira de desenvolver ou utilizar um software. Por exemplo, uma manhã eu estava caminhando para tomar um café e vestia um moletom que nas costas dizia ‘Mentor Hack @ Brown’. Um cara me interrompeu e me perguntou: “Ei, você tem recursos para aprender a programar?”

Acontece que este foi um momento muito poderoso para mim porque foi um exemplo do que vejo todos os dias na internet, de pessoas realmente tentando entrar nesta indústria de software. Essa pessoa tinha vindo do México para São Francisco, mudou-se para cá para aprender mais inglês, para aprender mais sobre tecnologia e, com a COVID, teve muita dificuldade em estudar e, em vez disso, estava trabalhando na área de construção. O que pensei foi que isso é algo que tantas pessoas estão tentando acessar e é uma grande responsabilidade da indústria de tecnologia aumentar esse acesso; e isso vale para as pessoas de outros países como para as pessoas do ensino fundamental e do ensino médio. Isso atravessa as idades, não apenas a educação infantil.

(Entrevista ao podcast Founders Field Guide publicada em 31 de dezembro de 2020)

Continue Reading
300x250

Posts recentes

Categorias

Trending

Copyright © 2021 Morse News