Ghost Interview

Por trás do vídeo viral do Foo Fighters

Fabio Zaffagnini é criador Rockin´1000, maior banda de rock da terra, que se apresenta neste Sábado em São Paulo

Published

on

Você já deve ter visto esse vídeo com mais de 60 milhões de visualizações onde a comunidade Rockin´1000, criada por Fabio Zaffagnini, toca em conjunto e ao mesmo tempo a música ‘Learn to Fly’ dos Foo Fighters. Rockin´1000 é a maior banda de rock da terra e organizam grandes eventos onde milhares de músicos se apresentam simultaneamente. A inspiração de Fabio veio do filme de Jack Black, ‘Escola de Rock’, e o movimento  conseguiu convencer uma banda de rock como o Foo Fighters a tocar no Cesena, na Itália, desviando-os de sua turnê mundial. Já que nas últimas semanas abordamos aqui pelo Morse a importância e estratégia na construção de comunidades em ‘Community First, Product Later’ e ‘Contrata-se: Community Manager’, mais do que justo trazermos aqui no Ghost Interview o responsável pela maior comunidade de músicos de rock! Fabio é o nosso entrevistado de hoje 🙂


Ah, e que tal ler o Ghost de hoje escutando nossa playlist com o Setlist do show que acontecerá este sábado, aqui em São Paulo, no Allianz Parque.

* O Ghost Interview de hoje foi indicado por Rafael Vogel, que além de leitor frequente do Morse, será um dos 1.000 músicos que se apresentarão no Rockin’ 1000 São Paulo. Valeu Rafa! You rock 🤘🏽🤘🏽

Como sua vida cotidiana mudou desde o grande sucesso viral do vídeo “Learn to Fly”?

Mudou muito! Em primeiro lugar, larguei meu emprego e decidi dedicar quase todo o meu tempo para fazer o Rockin’1000 crescer. Acordo todas as manhãs pensando nisso, luto o dia todo para cumprir todos os meus compromissos! E ir dormir ainda pensando nisso… não é grande coisa, hein? A verdade é que Rockin’1000 é mais do que um trabalho. É como uma missão, é levar uma mensagem que vai além da música.

(The Florentine – 2018)

Quando você percebeu o verdadeiro potencial do projeto?

Desde o início ficou claro para todos que era uma ideia tão louca que tinha um enorme potencial de comunicação. Mas então como transformar esse potencial de comunicação em um produto real e tangível era algo completamente diferente. Começando com o objetivo inicial de trazer o Foo Fighters para Cesena, percebemos quase imediatamente que tínhamos à nossa disposição uma comunidade crescente de milhares de pessoas que não podiam esperar para se reunir para jogar juntos, conhecer, compartilhar uma paixão ou simplesmente participar de um evento.

(University of Bologna – 2016)

Como foi a construção dessa ideia? Você realmente queria atrair o Foo Fighters?

Achei que eles nunca viriam para Cesena, já que o Foo Fighters é tão grande e minha cidade é tão pequena. Então eu queria fazer algo especial para impressioná-los. No DVD do ‘Escola de Rock’ há um bônus onde ele diz que se você realmente quer alguma coisa, você tem que pedir – e funciona melhor se houver mil pessoas gritando atrás de você. Jack Black e o diretor Richard Linklater estavam buscando permissão para usar uma música do Led Zepplin no filme, então eles gravaram um vídeo de apelo durante um show e a banda logo cedeu.

(The Guardian – 2015)

Depois de uma produção tão extraordinária e emocionante, você agora se sente pressionado para criar a “próxima grande coisa?”

Claro que sim, a comunidade de músicos, os nossos seguidores, estão sempre à espera de algo maior, e tentamos corresponder às suas expectativas. Só Deus sabe onde tudo isso nos levará!

(The Florentine – 2018)

A maioria dos músicos originais que participaram do primeiro vídeo ainda estão tocando com o grupo, ou a formação mudou drasticamente?

Metade e metade. Alguns são músicos que retornam, outros são novos. Rockin’1000 é agora uma comunidade de milhares e milhares de músicos de todo o mundo. Sempre que lançamos um novo evento, os primeiros que declaram a sua disponibilidade comparecem aos nossos eventos; os outros são adicionados a uma lista de espera. É tudo sobre ser rápido!

(The Florentine – 2018)

Falamos no Morse Trends da semana passada sobre a importância da construção de comunidades. Nos conte sobre a sua! Como foi a estratégia de construção dela?

Na verdade, somos bastante verticais em nossa comunidade de músicos, de fãs de rock. Ainda não entendemos quão ampla é a gama de fãs de música que abordamos. Nós sempre nos definimos como “roqueiros” porque eu também sou um, e sei muito bem como gostam as pessoas que amam minha música. Como grupo, somos bons em nos comunicar com nosso público alvo, porque está muito próximo de nossa personalidade e isso facilita muito. Poderíamos ser capazes de transmitir mensagens que não estão estritamente ligadas ao rock, mas seria uma operação dispersiva, que distorceria nossa identidade, minaria a credibilidade construída ao longo do tempo e dispersaria nossa preciosa comunidade.

(University of Bologna – 2016)

Cuidar de uma comunidade tão envolvida deve implicar responsabilidades…

Não gosto de pessoas que dizem aos outros como devem se comportar ou viver e dou risada quando leio artigos on-line ou anúncios sobre as cinco verdades para alcançar o sucesso ou os dez segredos para se comunicar bem. Se houvesse receitas infalíveis, a web já estaria cheia de bilionários. Como Rockin’ 1000 realizamos um estudo aprofundado de nossos alvos, o que eles gostam e não gostam, o que os estimula e o que os derruba. Nossa comunicação é sempre moldada em torno dos elementos que encontramos. Gostamos de contar nossa história porque ela pode ser uma fonte de inspiração para muitas pessoas, mas não queremos que essa história se torne os dez conselhos usuais. O sucesso que tivemos está ligado a uma grande ideia, a boas práticas e principalmente a uma serendipidade, ou seja, uma série de coisas que aconteceram sem a gente procurar, elas se encaixaram quase milagrosamente, nos levando ao sucesso. Não é algo que possa ser planejado: às vezes acontece, às vezes não. Isso não significa que a pessoa tem que sentar e esperar que as coisas aconteçam. Isso significa que é preciso tentar um bilhão de vezes até que as coisas se encaixem no caminho certo.

(University of Bologna – 2016)

Vocês tiveram 1 ano para se preparar e organizar o primeiro evento, quais foram os desafios? 

Tivemos que superar muitos problemas ao longo do ano. Fazer algo assim na Itália é muito difícil. Não estamos acostumados a pensar grande e estávamos enfrentando uma enorme crise – não apenas econômica, mas algo que envolve nossa visão de mundo e de futuro. Achamos que esse tipo de coisa pode acontecer em outros países, mas não na Itália. Os EUA são um lugar onde os sonhos se tornam realidade e a Itália não, então toda vez que contávamos aos patrocinadores ou músicos sobre a ideia, eles diziam que era legal, mas nunca aconteceria. 

(The Guardian – 2015)

Crowdfunding e comunidade andam lado a lado, como foi essa experiência para vocês?

Inicialmente, não pretendíamos investir nosso próprio dinheiro nisso, queríamos empatar, sem perder dinheiro. Mas então decidimos ir para o crowdfunding. Como já tinha alguma experiência direta com isso, sabia que era fundamental ter um projeto de comunicação e essa comunicação passa principalmente pelas redes sociais. Por isso, esboçamos planos editoriais e de comunicação muito detalhados, que nos comprometemos a seguir o mais próximo possível. O crowdfunding foi mais difícil para nós, porque ainda não tínhamos credibilidade suficiente e não tínhamos nada em troca para dar, além da recompensa de testemunhar uma ideia maluca. Agora o crowdfunding pode aproveitar a evolução do projeto Rockin1000, baseado na pré-venda de ingressos para um evento com 1000 músicos no palco, com uma playlist de clássicos do rock. Passamos de doadores para o público de um show. Contar com o crowdfunding também significa testar a qualidade, o valor e o potencial de uma ideia. Porque se alguém está disposto a pagar algo para que um projeto se concretize, significa que realmente tem apelo, é interessante. E tudo isso evitando riscos financeiros. Talvez, este ano, pudéssemos ter financiado o projeto apenas com patrocínios, mas aí se perderia a identidade participativa de construir nossas iniciativas com uma abordagem bottom-up.

(University of Bologna – 2016)

Como foi sua reação ao ver que o vídeo viralizou e que chegou ao Grohl, fundador e vocalista do Foo Fighters?

Quando finalmente chegou à web, não apenas o clipe se tornou um sucesso mundial que rapidamente disparou para 18 milhões de visualizações e contando, mas o próprio Grohl respondeu com a promessa de tocar em Cesena no futuro. Achei que era uma piada quando vi pela primeira vez. Quando percebi que era ele, comecei a chorar! Eu não choro com frequência, mas tem sido muito difícil conter as emoções que tive.

(The Guardian – 2015)

Qual frase te marcou e que pode inspirar outros empreendedores? 

Uma ideia sozinha não vale nada. Muitas pessoas têm ideias… A diferença está em quem é capaz de concretizá-las, torná-las realidades, transformá-las. 

(The Guardian – 2015)

Continue Reading
300x250

Posts recentes

Categorias

Trending

Copyright © 2021 Morse News