Ghost Interview

Jared Isaacman é empresário, aviador e astronauta

Published

on

O que você fez nos últimos 18 meses? Entrou na lista da Forbes de “favoritos do ano”? Fez o IPO da sua empresa? Foi ao espaço e voltou num foguete da Space X?  Jared Isaacman fez tudo isso de junho do ano passado a dezembro. Isaacman abriu capital da sua companhia de pagamentos, a Shift4 enquanto ajudou a coordenar e a lançar (nesse caso, o lançamento foi literal) na Space X Crew Dragon em 16 de setembro deste ano. 

Mas antes que você se sinta mal, a gente tem que falar que, a real, é que Jared já fez muito em pouquíssimo tempo. Ele criou uma empresa milionária aos 15, começou a pilotar aos 21, criou uma das maiores companhias de aviação privada (voltada para o segmento militar), a Draken International, aos 28; aos 36 vendeu essa empresa por alguns milhões de dólares para a Blackstone. Se isso tudo não bastasse, adicione a informação que demos no primeiro parágrafo. Nada mal para um Ghost Interview.


Jared, antes de você falar do espaço sideral, a gente quer que você comente sobre outro espaço, o de startups. Você começou sua empresa em 1999, a United Bank Card que agora se chama Shift4Pay, quando tinha apenas 16 anos. Conta essa parte da história para a gente.

Então, trabalhei na CompUSA, que era uma grande varejista de computadores na época. Acho que já faliram. E o que eu fiz foi basicamente roubar clientes. Fiz meu trabalho vendendo o que deveria, computadores e tal. Mas se alguém chegasse e dissesse que tinha um problema com o qual eu poderia ser útil fora do horário de trabalho, eu fazia. 

E um dos clientes que entrou era de uma empresa chamada MSI (Merchant Services, Inc.). A MSI processava cartões de crédito nos primeiros anos. Eles permitiam que as empresas aceitassem cartões de crédito como forma de pagamento. Propus que seria capaz de ajudá-los. E acabei trabalhando lá um pouco paralelamente, e resolvi os problemas deles. E então eles me ofereceram um emprego, e eu trabalhei lá por seis meses. Eu saí do colégio. E acabei criando a United Bank Cards porque, depois de trabalhar seis meses na MSI, percebi que poderia haver uma tecnologia melhor para cobrir a área que eles cobriam. 

Na verdade, nós os adquirimos [MSI] em 2014, então o círculo se completou.
(Entrevista ao podcast Unleash your Greatness Within publicada em 16 de fevereiro de 2021)

Um ponto que achamos engraçado é que, em 2006, quando seu pai falou qual era o seu maior obstáculo, ele comentou “ele ainda não pode dirigir”. Dado que era tão novo… De qualquer forma, como foi esse começo da empresa e como perceberam que podiam crescer?

Bem, tentei vender o máximo possível por telefone. Meu pai fazia muitas das vendas cara a cara. Mas quando eu fazia isso naquela idade, sempre usava terno. Agora eu nunca faço, mas provavelmente dos 16 aos 21 eu sempre fiz. E eu nunca fiz a barba. Fiz tudo o que pude para parecer um pouco mais velho. Dava para perceber, entrando em algumas reuniões, que eu teria um obstáculo pela frente, mas na maioria das vezes, quando a reunião terminava, tudo funcionava. 

Descobrimos que, se pudéssemos nos tornar o lugar mais fácil para se trabalhar, os representantes de vendas sairiam da concorrência e viriam trabalhar para nós. Portanto, construímos muitas coisas que ninguém mais tinha – sistemas de relatórios online para os representantes de vendas, tempo de resposta mais rápido para que eles fossem pagos mais rapidamente. E apresentamos aos representantes a lucratividade recorrente que obtemos em cada transação. Essa receita foi escondida deles na indústria.

Isso nos deu nossa primeira onda de crescimento. Então, em 2004, começamos a dar o equipamento de cartão de crédito para receber a conta. Até então, uma máquina de cartão de crédito custava talvez 500 dólares ou você a alugava. [ [A ideia de dar o equipamento] não era nada de mais – você pode obter um telefone celular grátis com um plano de serviço – mas isso não era feito em nosso setor.

(Entrevista ao Business Jet Traveler publicada em dezembro de 2011)

Ainda falando sobre a Shift4Pay: qual foi o caminho que acabaram seguindo em termos de negócios? E o que apoiou o IPO de US$ 345 milhões  que rolou no ano passado? 

Ao longo de nossa história, tentamos nos concentrar, como empresa de pagamentos, na extremidade mais complexa do espectro. E o que me refiro a esse espectro, digamos, a maioria das pessoas está familiarizada com o Square ou o PayPal. E eles se destacam na extremidade mais simplista do espectro de pagamento, cafeterias e caminhões de alimentos e assim por diante, onde não há muitos softwares habilitadores de comércio em andamento.

Nós gravitamos em direção ao outro extremo do espectro, onde tudo é supercomplicado. Então, nossos clientes são Hyatt, ou Caesars Palace, ou quase todos os grandes resorts de esqui que você possa imaginar, onde há muitas coisas acontecendo.

O Pebble Beach, por exemplo, você tem três hotéis, três spas, três campos de golfe. Todos eles precisam se integrar e sincronizar juntos. Isso é complicado. Como resultado, ao longo de nossa história, crescemos onde cerca de um terço de todos os restaurantes e hotéis neste país usam alguma forma de tecnologia Shift4.   

E foi aí que criamos com Shift4Shop, porque permite que literalmente qualquer pessoa que tenha uma ideia para um negócio a crie. Não custa nada para usá-lo ou criar sua loja na web. E então você expõe para o mundo e vê o que acontece. E muitos negócios de comércio eletrônico começaram assim.

(Entrevista ao podcast Unleash your Greatness Within publicada em 16 de fevereiro de 2021)

No meio tempo, enquanto a Shift4Pay estava crescendo, você começou um hobby em aviação. Daí para a Drake foi um pulo. A Drake é uma empresa que é focada em treinamento de pilotos de caça, e vocês ainda tem uma das maiores frotas não militares destes tipos de aviões. Como você pulou disso para o voo para o espaço?

Eu estava em uma call em outubro de 2020 … com a SpaceX, e não tinha nada a ver com exploração espacial. Mas encerrei a ligação fazendo um comentário para Elon [Musk]  “ei, você sabe, sempre que vocês estiverem prontos para realmente inaugurar a exploração espacial privada, lembrem de mim, porque estou super interessado”. E eles ficaram tipo, ‘”Oh, é mesmo? Porque podemos estar um pouco mais próximos de testar isso do que você pensa”. E foi como uma semana depois que o Inspiration4 nasceu.

(Entrevista ao WSJ publicada em 15 de setembro de 2021)

Falando dos bastidores, você já é piloto, inclusive piloto de caça e já quebrou alguns recordes em aviação super-rápida. Mas o que achou mais surpreendente em treinar para ir para o espaço?

A intensidade disso em geral. Quando você aprende a pilotar um caça a jato, você tem um … manual, que tem talvez 100 páginas e você o estuda; e você sabe tudo sobre como o manual e o avião funciona, quais são suas limitações e como lidar com emergências, e então você pode fazer um teste. 

Não sei por que pensei que seria o mesmo, e não foi. Em nossas primeiras duas semanas na SpaceX, tivemos cerca de 3.000 páginas de material acadêmico sendo jogados para a gente, e foi uma espécie de “surra” de PowerPoint, repetidamente, até você absorver tudo.

(Entrevista ao WSJ publicada em 15 de setembro de 2021)

Quais foram os principais desafios de colocar uma missão como a Inspiration4 no ar?

Acho que a disponibilidade de capital é o número um. Temos sorte agora [porque] este é um ambiente de baixa taxa de juros onde os investimentos podem ser feitos na exploração do espaço porque você vai precisar desses investimentos para reduzir os custos. O objetivo da SpaceX de tornar a vida multiplanetária e nos levar a Marte e poder ficar lá faz com que o Projeto Manhattan pareça pequeno em comparação … Precisamos ser capazes de continuar a fazer investimentos nisso e nas coisas aqui na Terra, a fim de justificar esses investimentos . E isso não é fácil. Não é fácil nem mesmo para uma das pessoas mais ricas do mundo como Elon, mas sei que ele está comprometido. 

(Entrevista ao WSJ publicada em 15 de setembro de 2021)

Mas e as dificuldades técnicas mesmo? Afinal, vocês eram apenas civis e treinados há poucos meses, e foram para o espaço! 

Acho que estávamos incrivelmente bem preparados para esta missão. Eu acabei de começar a trabalhar um esboço para um briefing que vou apresentar m relação à missão e, em uma nota mais técnica, quebrando tudo desde como a missão começou, até uma ação crucial , por meio do processo de triagem, por meio de treinamento, tudo o mais e quais coisas foram realmente importantes, e quais coisas você poderia fazer menos? Não acho que haja muito no campo. Acho que o que conseguimos era exatamente o que precisávamos. O que quero dizer com isso, em órbita, havia grandes lacunas na comunicação. Como missão comercial, não estávamos nem perto de uma alta prioridade para recursos governamentais.

Na verdade, acho que houve muitas críticas sobre por que não eram mais transmissões ao vivo, quando as pessoas estão acostumadas a ver isso da NASA na estação espacial. Mas, não tínhamos cobertura de recursos do governo para fazer isso. Tínhamos janelas muito pequenas. Grandes lacunas na cobertura de comunicação. Se você não treinou muito e não foi exposto a tantas coisas que podem dar errado, além de não ter comunicação, você pode ter tido uma pressão mais alta naquelas circunstâncias em que, para nós, foi apenas mais um período de perda de sinal.  Vamos voltar ao trabalho. Tivemos alguns alertas e alarmes que dispararam em diferentes fases, onde estava pensando no que você pode fazer para resolver uma situação de uma forma muito calma e confiante. E isso veio do treinamento também. Então, sim, acho que estávamos muito bem preparados para isso. 

(Entrevista ao podcast Check 6 da Aviation Week publicado em 23 de setembro de 2021)

Um ponto bem legal é que a missão que você capitaneou era composta por civis. E, de certa maneira, isso serviu para a SpaceX ter uma série de feedbacks para seus processos que algumas pessoas de background mais técnico não teriam, não é?!

Fui convidado para dar uma palestra durante o almoço para a Society of Experimental Test Pilots. Portanto, é um pouco mais técnico sobre a missão, e o que as pessoas talvez possam aprender com isso, para futuras missões de voo espacial orbital.

Bem, acho que a ida de civis ao espaço é inevitável. É disso que se trata, era mostrar que o espaço não precisa permanecer domínio exclusivo das superpotências mundiais. Há muito por aí e temos que ir em frente e começar a satisfazer nossa curiosidade. E é claro, além de outras coisas, esperamos nos inspirar aqui na Terra também. Mas, sou o primeiro a reconhecer que o espaço ainda é caro e ainda é difícil e, portanto, toda missão, até que o custo diminua, e encontremos uma maneira de torná-lo ainda mais e mais rotineiro, apenas tem que ter um impacto muito profundo no mundo. Acho que talvez seja por isso que nossa história foi um pouco melhor do que algumas das outras do verão passado. Eu diria que embora este seja um lugar afortunado para ir, não seria realmente apropriado para minha esposa ou filhos no mundo de hoje, mas eu espero que seja no de amanhã.

Em quanto tempo será esse amanhã?! Eu não sei. Quero dizer, a SpaceX está construindo uma armada de naves estelares. Esta é a aposta mais grandiosa e ambiciosa … para muitos. E quando você está fazendo isso por muitos, não por poucos, então será em nossa vida, certo? O espaço vai se abrir de uma maneira bastante material, não durante a nossa vida, tenho certeza disso. 

Pessoalmente, acho que cada um dos membros da tripulação, incluindo nossos especialistas de missão e oficial médico, são verdadeiros astronautas. Eles têm um trabalho real a fazer e responsabilidades reais para o vôo seguro. E, sem dúvida, Hayley colocou suas habilidades de oficial médica em prática naquele vôo. E se tivéssemos alguém menos competente na área da saúde, alguns dos membros da tripulação poderiam não ter contribuído da maneira como o fizeram durante toda a missão. Portanto, não posso enfatizar o suficiente a contribuição de todos para isso. Acho que ter experiência em aviação foi útil. Acho que é por isso que é um conjunto de habilidades que a NASA utiliza bastante. Eu acho que vai precisar ser assim para sempre? Não. E essas habilidades podem ser treinadas? Com certeza. Pode significar que não são seis meses de treinamento indo para a missão, talvez sejam nove meses. Porque existem coisas como gerenciamento de recursos da tripulação e disciplina da lista de verificação, e como você lê e interage com as telas? Pode ser mais natural para nós só porque temos feito isso há muito tempo com nossa formação em aviação.  

(Entrevista ao podcast Check 6 da Aviation Week publicado em 23 de setembro de 2021)

Essa pergunta é um pouco clichê, mas quais foram seus momentos favoritos quando estava no espaço?

O momento mais impactante para mim foi o nascer da lua. Isso só me fez pensar que temos que colocar um pouco mais de força no nosso motor e ir explorar o que tem lá fora.  É tão difícil, porque divido a opinião de  Elon; que a vasta e esmagadora porcentagem de nossos recursos deve ser gasta em tornar a Terra melhor. Mas mesmo 1%, ou uma fração de um por cento, pode fazer uma diferença muito maior no universo. E se você pudesse imaginar tentar explicar para alguém de 200 anos atrás o que um telefone celular representa, o que é realidade virtual, o que é realidade aumentada, o que é transporte a jato – todos esses conceitos, que para nós impactaram positivamente nossas vidas, nos  fizeram mais produtivos … o mundo ficou melhor por causa da tecnologia muito melhor que uma pessoa 200 anos atrás nem poderia imaginar.

Bem, quanto mais disso está lá fora se nós apenas sairmos e explorarmos esta vastidão de espaço sobre a qual não sabemos literalmente nada? Realmente, no grande esquema das coisas, não sabemos nada sobre isso. Portanto, há um grau de frustração que espero em nossa vida, ou pelo menos configuramos as gerações para que sigam um pouco melhor, para que possamos atravessar os oceanos e escalar as montanhas novamente. Então foi essa a sensação que tive ao ver o nascer da lua. Houve momentos felizes, é claro: Chris tocando um ukulele – onde tenho certeza que se fosse na Terra, todos nós encontraríamos qualquer outra coisa para fazer, mas se você estiver no espaço, você fica tipo, “cara, isso é legal ”- vendo seus companheiros comerem e serem felizes, vendo Sian pintar. Tivemos que ver todos serem quem são, o que foi muito legal.

Quando fiz aquela chamada sobre as portas se abrindo um pouco, estava apenas olhando sob a tela e olhando pelas duas janelas dianteiras e parecia que estava assistindo a uma simulação do acampamento espacial, seja renderizada ou não, parece exatamente com tudo que nós já vimos: “Puta Merda, olha a Terra”. Parecia tão diferente do que pensei que seria. Ele irradia mais e é de resolução mais alta com certeza – você está vendo com seus próprios olhos – mas se parece muito com o que você esperaria que fosse.

(Entrevista à CNBC em 12 de outubro de 2021 )

Continue Reading
300x250

Posts recentes

Categorias

Trending

Copyright © 2021 Morse News