Big Techs & Big Troubles

Minus é mais: a rede social que é o anti-Facebook

Menos é mais. Conheça a rede social que quer limitar o número de postagens – e simplesmente não ter curtidas ou número de seguidores

Published

on

Se você só pudesse postar 10 fotos no Instagram, seriam as que estão agora publicadas? Se só pudesse deixar 20 postagens no Facebook ou no LinkedIn, sobre o que falaria? Se as únicas frases que pudesse deixar públicas no Twitter fossem 50, quais seriam os temas? Se você tivesse apenas 100 mensagens no WhatsApp, para quem mandaria? E se as mídias sociais não tivessem um scroll infinito, quanto tempo passaria nelas? O Ghost Interviewee de hoje, Ben Grosser, tentou responder sobre tudo o que envolve a ideia e o conceito da nova rede do momento, que já tem até marcas marcando presença  (inclusive o Morse), mas só demos para ele 10 respostas :). Conheça a história por trás do Minus, uma rede social onde cada usuário só tem 100 posts para o resto da sua vida.

Leia também:
Notas sobre o Futuro
Scott Galloway, o Contrariador de Big Techs

Cada postagem no Minus conta “contra” o usuário, já que é uma a menos para o pool final .O racional de Ben foi o minimalismo, mas também uma crítica ao funcionamento dos algoritmos, que exige que os usuários postem mais e mais em troca de engajamento (e não necessariamente de informação). Ben é professor de novas mídias e design da Universidade de Illinois e artista digital. Seu trabalho sempre focou na maneira com que as Big Techs transformaram negativamente o cotidiano das pessoas. Um de seus primeiros experimentos foi um plug-in de Chrome chamado Demetricator, onde o usuário poderia esconder os números de likes de todas as postagens; outro plugin que ele criou foi o Go Rando, um botão para a reação das postagens do Facebook serem aleatórias, para confundir o algoritmo da rede. Recentemente, ele fez a exposição Software for Less, onde critica fortemente o design “viciante” das redes.  A obra de Ben vale a pena ser visitada quando tiverem um tempo (sério, são exposições provocadoras e experimentos digitais que falam de NFT até a nossa mania de ler notícias de fim de mundo). Por aqui, tentaremos ser breves, e tentaremos entender: afinal, por que o Minus?

Minus, a rede finita

Minus: o que é?

Morse: Ben, para você, o que é o Minus?

 Ben Grosser: “O Minus veio para responder uma pergunta muito simples: o que aconteceria se uma mídia social não te compelisse sempre a participar dos assuntos, mas trabalhasse ativamente para limitar sua participação? Assim, você não sente que precisa estar sempre de olho em assuntos e também sente que poderia se afastar por um período de tempo sem consequências.

Como a rede tem um limite de 100 posts e não há curtidas, a única maneira de avaliar o sucesso de sua postagem acontece se houver uma conversa em resposta a ela. É assim que a interação humana funcionava até a mídia social. Não íamos a festas e saímos com listas de números sobre como éramos vistos. Tínhamos que ouvir alguém, pensar sobre o que eles haviam dito e responder se nos sentíssemos compelidos a isso. 
(Entrevista à Fast Company publicada em 13 de outubro de 2021)


Morse: O design da Minus é mesmo bem simples, com um lugar para postar e uma página para ver o que os outros escreveram. O que te levou a pensar nessa abordagem de limitar a quantidade de posts?

 Ben Grosser: Eu sou professor de design, e, volta e meia, faço essas perguntas em aula: quem aqui excluiu uma postagem de mídia social 10 minutos após colocá-la, porque não teve a reação métrica que eles esperavam? E sempre fico surpreso porque a sala toda costuma levantar a mão. Eu sempre falo em resposta, agora imagine se algum dos artistas que você admira no passado tivesse prestado atenção aos primeiros 10 minutos de reação ao seu trabalho e usado isso como um guia sobre se deve jogar esse trabalho fora. Se você vai ter ideias originais e estranhas, sugere ele, o mundo pode precisar de tempo para se ajustar a elas.

Quando limitei a 100 postagens, isso acabou dando um peso maior para cada uma delas. As pessoas que testaram a Minus me falaram que passaram a pensar mais no que escrevem, já que só têm um número finito de posts, eles ficam com medo de postar alguma besteira. Somos convidados a acreditar que nosso feed do Twitter durará para sempre. E assim, estamos constantemente pensando em nossa cabeça em termos de como podemos aparecer no Twitter ou sobre como o que estamos fazendo agora pareceria se eu falasse sobre isso no Twitter … 
(Entrevista ao The Guardian publicada em 15 de agosto de 2021)

Falando em Twitter, o Minus lembra um pouco a gente do Twitter que sempre teve uma limitação de caracteres nas suas postagens. Como você vê o Minus mudando a maneira que a gente engaja online?

O limite de caracteres do Twitter teve o efeito principal de produzir mais postagens. Mais postagens inevitavelmente fornecem mais dados que permitem análises mais algorítmicas e, portanto, novas oportunidades para transformar a interação humana em lucro e receita.

O Minus é um experimento para ver o que acontece quando o grande modelo de mídia social baseado em “mais conteúdo” está virado de cabeça para baixo. Passamos a pensar nas grandes redes sociais como algo com que viveremos pelo resto de nossas vidas. Muitos de nós acabam vendo o mundo como apenas um lugar para criar mais conteúdo para futuras postagens para as redes. 

Essa forma de pensar de precisar gerenciar para sempre nossa persona online nas plataformas online é muito benéfica para essas plataformas. Eles serão para sempre dependentes e enriquecidos por nosso envolvimento contínuo. Eles projetam seus sistemas para induzir nossa produção de conteúdo e nossa participação de todas as maneiras possíveis. Mais de nós é o que eles precisam. Mas e se uma plataforma de mídia social não precisasse tanto de nós? E se soubéssemos que eles nem sempre estariam disponíveis?

Suspeito que veremos uma variedade de abordagens para o limite de 100 posts de Minus. Alguns provavelmente irão acumular seu cache de visibilidade futura, seja porque o limite faz aquelas poucas oportunidades parecerem mais importantes, ou porque estão tão acostumados a tratar as métricas visíveis como algo para otimizar seus conteúdos, que eles vão querer manter as “postagens restantes” altas, para impor respeito.

Espero que alguns outros vejam a restrição radical do site como um convite para experimentar. Talvez se torne um gerador de arte performática online, ou uma forma de documentar uma série de eventos, ou talvez eles simplesmente destruam tudo de uma só vez. 

Parte de mim teme que a restrição de 100 postagens pareça tão limitante que a maioria não vai desacelerar o ritmo o suficiente para experimentá-la. Embora, se for esse o caso, eu também veria como um reflexo da condição que as grandes mídias sociais produziram. Eles nos animaram a um hiperestado de querer mais, onde o tempo é medido em “segundos atrás” e a sociabilidade é sobre quantos ou quanto, ao invés de quem ou o quê.

(Entrevista à Ocula Magazine publicada em 20 de agosto de 2021)

Order of Magnitude, 2020 – Ben Grosser

Minus: anti-algoritmos

Morse: Um ponto que você falou ali em cima é sobre a conexão entre a quantidade de postagens e os algoritmos das redes. Qual a sua visão sobre esse mundo “personalizado” ou, usando as palavras do TikTok “feito para você”?

 Ben Grosser: Não podemos simplesmente aceitar esses algoritmos de personalização que aparentemente nos entendem e não podemos aceitar viver no mundo que eles criaram para a gente.. As grandes plataformas de redes sociais não existem para nos informar, mas para nos engajar. Portanto, seja o que for que eles nos mostrem, seu objetivo principal é nos manter lendo, gostando e produzindo.

Eu defendo que precisamos de táticas e estratégias que confundam esses sistemas e como eles nos veem. Claro, fazer isso pode significar que acabamos assistindo a um conteúdo que às vezes não entra imediatamente em nossa lista de favoritos. Mas quando começamos a pensar que o único conteúdo que vale a pena assistir é sempre igual àquele de que já gostamos ou já vimos?

(Entrevista à Ocula Magazine publicada em 20 de agosto de 2021)

Morse: Nesse sentido, um dos seus experimentos digitais antes do Minus foi o Go Rando, um tipo de botão que dá uma reação “aleatória” a uma postagem do Facebook. Por que você criou ele?

Ben Grosser: Como usuários do Facebook, eu diria que estamos sempre à mercê de um algoritmo. Com Go Rando, pretendo dar aos usuários alguma agência sobre esse algoritmo. Como o objetivo do Go Rando é ofuscar os sentimentos de alguém no Facebook, escolhendo aleatoriamente “reações” para eles, espero que alguns (muitos?) compartilhem suas preocupações sobre como usá-lo.

No entanto, quer se use Go Rando ou não, minha intenção com este trabalho é provocar considerações individuais sobre os métodos e efeitos da vigilância emocional. Como nossa atividade no Facebook está sendo “lida”, não apenas por nossos amigos, mas também pelos sistemas? Para onde vão esses dados? A quem isso beneficia? Quem é o mais vulnerável?

(…) O Go Rando está focado nesses sentimentos. Ao produzir (frequentemente) reações emocionais imprecisas, o Go Rando muda o que o usuário vê em seu feed e, assim, interrompe alguns dos efeitos de bolha do filtro produzidos pelo Facebook. O trabalho também resiste a outras tentativas corporativas de analisar nossas “necessidades e medos”, como aqueles praticados pela campanha Trump. Eles usaram essas análises para dividir os cidadãos em 32 tipos de personalidade e, em seguida, criaram mensagens personalizadas para cada um. Go Rando pode ajudar a impedir esse tipo de manipulação no futuro. 
(Entrevista ao We Make Money Not Art publicada em 13 de fevereiro de 2017)


Morse: Agora indo para a questão do engajamento. Se informação e engajamento são diferentes, o que é, exatamente, o engajamento?

Ben Grosser: Embora as plataformas tenham possibilitado uma ampla mudança para a imagem deles como “comunicação do dia a dia”, a intenção do design corporativo das Big Techs é produzir “engajamento”, não compreensão. Para eles, o engajamento é um eufemismo para a captura e registro da atenção, a fim de traçar o perfil dos usuários para fins de venda de publicidade direcionada. Além de criar mais registros para um banco de dados que associa o usuário a um tópico / produto / etc, esse engajamento talvez seja igualmente projetado para ocupar o usuário, para mantê-lo dentro do sistema por tanto tempo quanto possível, incorporando cada imagem em uma interface que incentiva o usuário para manter o scroll, para se concentrar no que pode estar logo além da parte inferior da tela. Um desafio ainda maior para o usuário compreender as imagens que vê é a forma como os projetos da plataforma os condicionam para que passem por elas.

De feeds que nunca terminam (todas as redes sociais) para abrir o feed para todos, independentemente das redes de amigos / seguidores (por exemplo, TikTok) para expiração automatizada / avanço cronometrado por meio de uma série de imagens (por exemplo, Ios Stories do Instagram), as plataformas ensinam os usuários a escanear a postagem atual o mais rápido possível para que possam passar para a próxima. Os usuários aprendem a observar as métricas como seu guia neste processo, diminuindo a velocidade para postagens com contagens altas e passando rapidamente por aquelas sem. Desse modo, as plataformas estão tornando os usuários algorítmicos, transformando as pessoas em máquinas de varredura onde sua velocidade de passagem de feed e seus cliques de Like ou Love produzem um potencial infinito de lucro futuro que depende de quantidades cada vez maiores de dados.
(Entrevista ao Institute of Network Cultures publicada em 23 de abril de 2020)

Instagram Demetrificator – Ben Grosser, 2018

Minus: por menos métricas


Morse: Qual é o maior vilão da criatividade no mundo atual?
Ben Grosser:: Métricas.
(Entrevista à revista Clot publicada em 8 de janeiro de 2019)

Morse: Há quase 8 anos, você foi responsável pelo “Demetrificator” do Facebook e do Twitter, um plugin que retirava a visualização dos likes das postagens. O próprio Instagram chegou a retirar a quantidade de likes das fotos há dois anos, para depois voltar com isso. O que percebeu com a pesquisa que fez depois do uso do Demetrificator?

Ben Grosser: Depois de uma década de atividades investigando, trabalhando para apagar e ouvindo os usuários relatarem os efeitos de ocultar curtidas (e outras contagens visíveis), é perfeitamente claro que as métricas de mídia social têm efeitos profundos sobre os usuários. Quando as contagens de curtidas, seguidores, comentários são ocultadas, os usuários relatam que se sentem, por exemplo, menos ansiosos, menos competitivos e menos viciados nas plataformas. Eles falam sobre se sentirem menos compulsivos em resposta a eles, menos manipulados por métricas para gostar, compartilhar e postar continuamente. E talvez o mais importante, quando as métricas de interface visíveis estão ocultas, os usuários aprendem e sentem por si mesmos o quão significativamente suas ações foram impulsionadas – quase automatizadas – pela presença do número.

(…)Toda essa saga do Instagram, para mim, foi um grande golpe de marketing. O Instagram anunciou ao mundo em 2019 que estavam testando a ocultação de curtidas. Eles ganharam uma imprensa muito positiva com essa mudança, com muitos elogiando o quanto o Instagram se preocupa com o bem-estar do usuário. Eles então passaram a não ocultar curtidas para todos, mas em vez disso, testaram o recurso por dois anos – uma eternidade, dados seus recursos e capacidade – apenas para voltar mais tarde e proclamar que ocultar curtidas não importa muito? Essa afirmação não apenas contradiz minha própria pesquisa e a experiência de inúmeros usuários, mas o Instagram tem grande interesse nessa descoberta.

Métricas visíveis são essenciais para a produção de engajamento do usuário. O envolvimento é essencial para o crescimento do usuário e geração de lucro. Seus testes de ocultação estavam incompletos, deixando as contagens de curtidas do próprio usuário visíveis em vários lugares – e também deixando abertas outras contagens, como número de seguidores. 
(Artigo publicado no Institute of Network Cultures publicado em 14 de junho de 2021)

Platform Sweet Talk, website, 2021

Minus: #notdeletefacebook

Morse: Com tudo isso rolando, não seria melhor, então, sair de todas as redes sociais logo?

Ben Grosser: A cada mês um #deletefacebook ganha popularidade temporária. Muita gente fala sobre isso. Mas poucos se desconectam. Por quê? Bem, para alguns, sites como o Facebook ou o Twitter são requisitos práticos de trabalho, senão literais. Tente pedir a um grande jornalista da mídia para ficar longe do Twitter – simplesmente não é uma opção realista para a maioria deles!

Para muitos outros, sair da mídia social significa desconectar-se de amigos, familiares e oportunidades. Isso porque, como público, permitimos que empresas criassem plataformas privadas que se tornaram tão dominantes que superaram todas as outras opções. O Facebook e o resto são agora uma infraestrutura fundamental, mais importante do que o telefone, as estradas ou o jornal.

Alguns que criticam as plataformas o fazem de uma posição externa, sem contaminação por qualquer experiência interna significativa. Esse é um ponto de vista valioso, e uma estratégia que artistas, acadêmicos e críticos têm usado há séculos. Mas eu argumento que um dos principais componentes da vida no século 21 é a experiência afetiva de estar nas plataformas.

Elas são projetadas para influenciar como nos sentimos, a fim de mudar o que fazemos e quem somos. Portanto, acho que é vital que pelo menos alguns de nós trabalhemos internamente. Eu moro nas plataformas, assim como o resto de nós. Eu sinto a atração de uma contagem semelhante e me pego verificando a minha própria contagem de seguidores ou a de outra pessoa. Eu uso esses momentos como meu guia para onde ir a seguir.

Como poucas pessoas conseguem sair das plataformas, é importante usá-las como um veículo para imaginar alternativas. Precisamos começar a ver esses sistemas como oportunidades de experimentação e manipulação, e parar de tratá-los puramente como locais de consumo e interação prescrita.

Só porque um software nos pede para relatar como nos sentimos, não temos a obrigação de ser precisos sobre isso. Só porque um site sugere que ele nos alcança – e nos faz sentir que pode estar certo – não significa que devemos aceitar ou mesmo necessariamente apreciar sua análise algorítmica. 

(Entrevista à Ocula Magazine publicada em 20 de agosto de 2021)

Morse: Aqui uma última pergunta: como a gente pode ajudar nessa desconstrução das redes sociais?

Ben Grosser: Meu ponto principal é que esse tipo de tática de contornar a linha e os limites das redes é uma parte essencial do afastamento das plataformas. Precisamos de grupos de reflexão, de redes e de fábricas de memes e tudo o mais, mas esses espaços precisarão de artistas para lutar contra as corporações de todos os lados, para que saibam quais táticas desenvolver e tentar em seguida. Algumas dessas táticas futuras serão atos de extrema resistência visível (à la Snowden), mas outras precisarão ser atos menos visíveis de infiltração ou subversão. Apenas uma coleção de atos em todo o espectro pode fazer as coisas avançarem. Precisamos construir alternativas, mas também temos que encontrar maneiras de convencer dois bilhões de usuários da plataforma a experimentar essas alternativas. Da minha perspectiva, ajudar os usuários a desenvolver sua própria perspectiva crítica é uma parte essencial desse processo.

(Entrevista ao Institute of Network Cultures publicada em 23 de abril de 2020)

Continue Reading
300x250

Posts recentes

Categorias

Trending

Copyright © 2021 Morse News